Páginas

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Mais informações sobre o curso de LIBRAS

2 comentários
Em resposta ao comentário abaixo:


"Olá, Thalita. Tudo bem? Gostaria de obter maiores informações sobre este curso que você irá ministrar. data, horário e local. Tenho interesse assim como a minha irmã. Agradeço a sua atenção."

O curso de extensão em LIBRAS é na Faculdade Evangélica do Salvador (FACESA), em Salvador/BA. A FACESA fica no bairro Iguatemi, em frente ao Hiper Bompreço.
Temos uma turma em andamento aos sábados pela manhã e uma nova turma iniciando nesta próxima sexta-feira dia 23 de Abril de 2009!!

Aos interessados que não possuem nenhum desses dois horários disponíveis entre em contato comigo pelo número 71 9635.7778, e arrumamos um horário interessante!!

Abaixo alguns folderes de divulgação que usamos este ano (clique em cima da imagem para ampliar):






Porque não incluir alunos surdos em escolas regulares ---> a resposta!

0 comentários
Olá a tod@s!

Há pouco tempo ministrei uma palestra sobre Educação de Surdos na Faculdade de Educação da UFBA, onde estudei na minha formação em Pedagogia, convidada por algumas colegas que me viram falar sobre o assunto num seminário da FACESA (instituíção onde trabalho como intérprete de língua de sinais e professora do curso de extensão em LIBRAS). No início da palestra fiz uma provocação dizendo que não era (e não sou!) a favor da inclusão de pessoas surdas no ensino regular, mas com o tempo muiiiito curto não tive tempo de responder...
Pois que uma das pessoas que estava assistindo me mandou um email pedindo a explicação sobre a afirmação que fiz, aproveitando esta resposta, posto aqui um pouco (bem pouquinho mesmo) sobre esse assunto e os slides apresentados durante a palestra.

Espero que gostem!!

.................................................................................


Eu não sou a favor da inclusão de surdos por motivos que expliquei durante a palestra, mas não direcionei exatamente a essa resposta. Perceba que eu disse inclusão de SURDOS, sobre as demais deficiencias eu não opino de forma tão radical por não ter conhecimento aprofundado.

Uma resposta simples seria que o povo surdo tem LÍNGUA e CULTURA próprias, portanto devem compartilhar entre si estas. Mas, imagine comigo, como uma criança ouvinte aprende a falar?? Obviamente ouvindo os pais, a família, os professores e as pessoas ao seu redor que falam, assim, p.ex., por tanto ouvir alguém se direcionando a um objeto e chamá-lo de copo a criança ouvinte aprende NATURALMENTE que aquele objeto se chama copo! E assim todas as demais palavras inclusive as de significados abstratos.

Pense agora comigo, a grande maioria das crianças surdas nascem em lares de pais ouvintes, esses pais desinformados sobre o que fazer, são aconselhados pelos médicos a levarem a criança ao fonoaudiológo e esta agora passa muiiiiitos anos de sua vida fazendo treinamento vocal de palavras que ela mesma desconhece o significado. O que acaba acontecendo é que a a pessoa adquire linguagem tardiamente por não aprender uma língua de forma natural. Mas imagine se esta criança for levada a uma escola de surdos... Se em sua casa ela não tem o ambiente linguístico adequado, numa escola este ambiente será criado já que lá haverão professores surdos e pessoas proficientes na língua de sinais que se transformarão em referenciais linguísticos para essa pessoa. Assim a língua será aprendida de forma natural, como no caso das demais pessoas ouvintes.

E como uma escola de surdos até o Ensino Médio ainda é uma utopia em grande parte do Brasil (tenho noticia de algumas pelo Sul do país) é aceitável que aconteça a inclusão no ensino regular, com ressalva de que a pessoa surda deve ser proficiente (ter dominío) na língua de sinais e apoio de um tradutor intérprete de Língua de Sinais obviamente!



SLIDES APRESENTADOS:



































sexta-feira, 17 de abril de 2009

Curso Básico de LIBRAS

76 comentários
Olá a tod@s!


Me chamo Thalita, sou formada em Pedagogia pela Universidade Federal da Bahia, sou Tradutora Intérprete de Língua de Sinais - TILS (certificada pelo pró LIBRAS) e estudo no curso a distância de Letras/LIBRAS - bacharelado pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente trabalho na FACESA - Faculdade Evangélica do Salvador como TILS e lecionando o curso de extensão de LIBRAS básico, que será apresentado a seguir.


Ao contrário do que muitas pessoas pensam a Língua de Sinais não é única, ou seja, não é igual em todo mundo. Assim existe a Língua de Sinais Francesa, Língua de Sinais Alemã, Língua de Sinais Americana, etc.


Aqui no Brasil nós temos a LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais.
Alguns teóricos acreditam que a nomenclatura Língua de Sinais Brasileira (LSB) é mais apropriada, pois obedece a mesma regra das nomenclaturas das outras línguas de sinais dos demais paises, porém legalmente a sigla utilizada no Brasil é LIBRAS, como já dissemos acima: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS!

E é sobre esta língua, visual-gestual, que iremos estudar neste curso de extensão oferecido pela Faculdade Evangélica do Salvador - FACESA.

Usaremos este espaço para aprofundar assuntos abordados em sala de aula, assim como divulgar notícias, textos, artigos, vídeos e todo tipo de infrmações ligado a LIBRAS e a comunidade surda.


Sejam bem vindos ao curso de extensão de LIBRAS básico.

Vamos começar treinando o Alfabeto Manual, também chamado de Alfabeto Dactilólogico, vejam abaixo: